angolanos

Crise de liderança

Cedências, dependências, partilhas, falhas emocional, intelectual, político, pessoais e colectivas, fizeram da UNITA/FPU prisioneira de pressões contraditórias, e de ACJ um líder moribundo que se perdeu na vulnerabilidade anárquica. O SOVISMO transformou-se num estúdio de Hollywood, é

O Rochedo

O guião esgotou-se, a narrativa foi escrutinada e energicamente rejeitada, péssimos atores minguaram o investimento, são os eternos falhados, analfabetos funcionais, incompetentes, perigosos, bailarinos e ilusionistas de um circo falido. Apagou-se a luz, embaciou-se o brilho

O princípio do fim

O predador embalado nas suas hilariantes alucinações, criou expectativas alicerçadas em sonhos e insinuações que reduziram a escombros a credibilidade da melodia pirosa que nem a participação de Bonga salvou, a clandestina UNITA/FPU é hoje

Humildade e democracia

O mundo aplaude a serenidade e a determinação proclamados pelo Presidente reeleito de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço. Com clareza e transparência nunca experimentados em Angola, a votação, o apuramento dos resultados, não obstante a azia

Modus operandi

Entre o sonho, o compromisso e o equívoco, a UNITA/FPU e a liderança de ACJ/Chivukuvuku prisioneira das vontades das fugitivas Tchizé e Isabel dos Santos, assume uma postura premeditada face aos resultados eleitorais, mostrando o