Três angolanos, estão listados nas nomeações da Edição 2022 do All Africa Music Awards, anunciou o Comité Executivo Internacional em parceria com a Comissão da União Africana. São eles: Matias Damásio, Pérola e C4 Pedro.

Categorias que cada um irá concorrer

O cantor Matias Damásio concorre na categoria de Melhor Compositor do Ano, com a música Como Antes.

A cantora Pérola concorre na categoria de Melhor Artista Feminina, com a música Sincera.

E o cantor C4 Pedro surge nomeado para duas categorias, de Produtor do Ano e de Melhor Artista, Duo ou Grupo, com as músicas Posa e Está Tudo Bem.

O concurso está dividido em 39 categorias e 5 Regiões do Continente africano. Sendo maioritariamente preenchido por artistas da Nigéria e África do Sul, cujas indústrias culturais estão em crescente expansão.

Dia 25 de setembro teve início a votação pública. Mas a cerimónia para a atribuição dos galardões só acontecerá entre 8 a 11 de Dezembro próximo, contando com um total de 9,067 inscrições registadas, o maior número de participantes assinalados desde que o prémio foi criado, refere o Comité Executivo Internacional.

Mais importante, somente as inscrições dentro do prazo de validade de 20 de agosto de 2021 a 5 de agosto de 2022, foram consideradas para a indicação da premiação deste ano.

Liderando as nomeações em base regional este ano está a região da África Ocidental com a 134 nomeações, que representa 35%; enquanto África Oriental segue perto com 69 nomeações, representando 18%; a região sul-africana corre de perto com 68 nomeações, representando 17,8%, enquanto a África Central ficou com 52 nomeações, representando 13,6%; já a região norte – africana segue de perto com 49 nomeações, representando 12,8%.

Além disso, a região “musical global” que representa a música dos não africanos na diáspora que ainda contribuem para o crescimento da região africana, completa a lista com 10 indicações, representando 2,6%.

Dominando a lista com mais indicações, este ano, está o maverick sul-africano, Costa Titch, com seis indicações devido ao sucesso de 2021, Big Flexa, em “Canção do Ano”; “Breakout Artist of the Year”; “Melhor Colaboração Africana”: “Melhor Artista, Duo ou Grupo Eletro Africano”; e “Melhor Artista, Duo ou Grupo em Uso da Dança Africana/Coreografia”.

Curiosamente, o maestro congolês, Dadju, também empata com seis indicações, em “Melhor artista da África Central”; “Artista do Ano”; “Melhor Ato Africano na Diáspora”; e “Melhor Trilha Sonora em Filme, Série ou Documentário”.

Mais uma vez, empatando com cinco nomeações também, está o Disc Jockey argelino e produtor musical, em “Melhor Artista Masculino no Norte da África”; “Canção do Ano”; “Melhor DJ africano”; “Melhor Ato Africano na diáspora”; e “Melhor Artista, Duo ou Grupo Eletro Africano”.

Além disso, o terceiro maior do ranking é outro cantor argelino, Soolking, com cinco indicações em “Melhor Artista Masculino no Norte da África”; “Canção do Ano”; “Álbum do Ano”; “Melhor Vídeo”; e “Melhor Ato Africano na Diáspora”.

Por fim, o rapper egípcio e produtor musical, Wegz está com cinco indicações em “Melhor Artista Masculino no Norte da África”; “Canção do Ano”; “Produtor do Ano”; “Artista do Ano”; e “Melhor Artista, Duo ou Grupo na África Contemporânea”.

Comentando sobre a lista de nomeações, o membro do júri da AFRIMA que representa a região Sudeste de África, Adam Tiran, afirmou: “A grande variedade de música de todo o continente que nós considerámos na adjudicação da AFRIMA, para os prémios deste ano, é magnífico. É realmente muito encorajante ver tantas superestrelas africanas na lista, assim como outras estrelas próximas que tiveram um ano incrível e, finalmente, muitas novas descobertas musicais, o futuro é brilhante para o continente”.