Angola não é, definitivamente, o que os indigentes querem que ela seja.

No SOVISMO faz-se notar a herança da Jamba e do Andulo naquilo que havia de pior, o racismo, o tribalismo, o ar de preeminência intelectual, que paradoxalmente, assenta numa linguagem e num vocabulário troglodita, que transmite uma paragem no tempo e uma desconexão com a exigência da realidade.

É tudo à bruta, o insulto, a acusação, a insinuação, a vinda de ACJ “Bétinho” ou de um dos seus avençados, ou até dos incendiários cibernéticos, o lixo debitado é atroz, transmite uma imagem de um passado longínquo, remoto, próprio de quem não conseguiu ultrapassar a irreverência juvenil revolucionária. Este cenário transmite uma Angola retrógrada que tem muito a ver com o primitivismo da UNITA/FPU.

Acresce que este analfabetismo funcional, é por inerência anárquico, daí o desrespeito pelas leis, a afronta às instituições do Estado, e os insuportáveis e criminosos insultos e acusações ao mais alto magistrado da Nação, o Presidente da República.

Desde o tempo de Troia na Grécia antiga, aos gladiadores de Roma, foram criados tribunais e senados, Sócrates foi condenado 400 a.C., Júlio César fora assassinado pelos senadores, foram civilizações que galgaram fronteiras, semearam modernidade, enfim avançaram no tempo e propagaram prosperidade.

A UNITA/FPU de ACJ/Chivukuvuku, em pleno séc.XXI, cinco décadas depois da Independência Nacional, 20 anos depois de serem domesticados pelo MPLA e recuperados da humilhação por José Eduardo dos Santos, voltam a desfilar métodos violentos de conquista do Poder, querem continuar a ser um estado dentro do Estado, acima das leis, sem regras, com base num fundamentalismo ditatorial terrorista e colonizador ao serviço de interesses estrangeiros.

O assalto ao Poder está preparado, como está prometida a autonomia de Cabinda e o perdão aos corruptos e saqueadores do Estado angolano, já só falta o tempo passar e os ponteiros do relógio marcarem a hora do destino, a senha é a música do Bonga, as famílias já estão a ser colocadas a salvo.

O resto, até lá, é folclore…!!!