No passado, existiu uma espécie de início de sociedade civil em Angola. Esse embrião de sociedade civil foi assassinado actualmente por uma infiltração venenosa de elementos negativos que se auto-intitulam sociedade civil, mas não são.

As investigações criminais impulsionadas por João Lourenço no combate à corrupção provocaram descontentamento entre as elites dominantes que estavam acostumadas a tudo roubar do Estado sem nenhuma punição.

Após algum tempo de reacção, a partir de 2020, o objectivo dessas elites tem sido re-obter o seu acesso à pilhagem e derrubar o seu inimigo número um João Lourenço e todos os que o apoiam.

Um dos movimentos da elite ressabiada foi mascarar-se de sociedade civil e à oposição na esperança de despertar ressentimentos antigovernamentais.

Filhos de José Eduardo dos Santos, ex-ministros e banqueiros falidos são agora proeminentes membros duma falsa sociedade civil barulhenta. Estas pessoas infiltraram-se na sociedade civil e servem-se desta nova plataforma para atacar todos os defensores do combate à corrupção, fingindo que são defensores dos direitos humanos. Os antigos combatentes pelos direitos humanos, os a sério, são agora vilipendiados e atacados massivamente.

A sociedade civil é hoje o palco de maus actores comprometidos com o passado corrupto e plena de más intenções.

Hoje a sociedade civil voltou a deixar de existir, é apenas um meio de ataque dos ressabiados ao Presidente da República, foi infelizmente infiltrada.