O fanatismo está na base dos mais hediondos confrontos que geraram carnificinas no espaço e no tempo da história da humanidade, os mais violentos que arrastaram milhões de mortos, foram de cariz religioso, ateu, étnico, explorados por tiranias em nome do amor e da liberdade.

De Troia a Roma, da Babilónia a Constantinopla, dos Faraós aos Cristãos e Muçulmanos, do Social Fascismo, ao Nazismo e Comunismo, e agora entre o Artificialismo e a Realidade, desafiando fronteiras confrontando a anarquia, a subversão, a clandestinidade, com o Estado de Direito Democrático e normal desempenho das Normas Constitucionais.

Depois de um somatório inconcebível de afrontas e desafios, até insultos e agressões retratados numa oratória vergonhosa e desafiante, ACJ “Bétinho” surge, por métodos suicidas religiosos, comparado a Jesus que desceu aos céus de Angola para salvar os angolanos. O cenário é arrepiante pela ridícula postura boçal e ruralista, do jeito de missa de sanzala, que de comédia facilmente pode virar drama, lançando multidões “Kamikazes” endeusando o Tirano no andor da ilusão numa procissão para o abismo.

Não é crime um Partido, vários dirigentes, o seu líder, terem uma postura constante de guerrilha institucional contra Órgãos de Poder legitimamente eleitos e nomeados cumprindo preceitos constitucionais, cujos resultados desmentem e contrariam acusações infundadas?

Não é crime apelar a Referendos para Autonomias Regionais que lutam militarmente e agridem o território com ações de sabotagem e todos os outros meios violentos e subversivos?

Não é crime apelar, em jeito de mobilização convulsiva à desintegração do território?

Lukamba “Miau” Gato, o sargento da Mocidade Portuguesa que lidera o Poder oculto do Galo Negro, transmitiu à célula racista da África do Sul, que Kamalata “Idiota” Numa e José “Ressabiado” Maria, o marimbondo venenoso, que ambos lhe garantiram terem tudo preparado para em Julho avançarem para a convulsão social para a rua, o ex-líder da Inteligência diz controlar parte significativa do MPLA e das Forças Armadas.

A nomenklatura vai a Cabinda confiante em marcar um novo rumo à Campanha, não obstante a fragmentação evidente no SOVISMO decorrente da elaboração da Lista de candidatos, daí a impossibilidade de a tornar pública, todavia mesmo sendo um momento menos adequado, Cabinda é uma prioridade assumida por Abel “Totozinho ” Chivukuvuku com a CIA e de ACJ “Bétinho” com a Igreja Católica.

Estará a PGR de Angola realmente com medo da UNITA como dizem?

A ver vamos, até quando…!!!