O futuro ministro de não sei quê da UNITA, Sousa “Mercenário” Jamba, no seu último escrito no Jornal do Estado (afinal também dá voz à Oposição), faz alusão à conversa com o amigo do Cuanza Sul que vive na Ucrânia.

A boçalidade do dito escriba, a ignorância sobre a matéria, e a propaganda encapotada cravada nas farpas ao Governo, fazem dele um pseudointelectual nascido e crescido em território do Galo Negro, onde da herança altamente produtiva, reduziram a escombros a produção agro familiar.

Angola já exportou milho, trigo, café, sisal, girassol, algodão, carne bovina, tentar importar o modelo da Ucrânia é o primeiro recurso de uma mente neocolonizada, o deslumbramento com o alheio é sempre um complexo de incapacidade, os angolanos deixaram de produzir por efeitos de uma guerra fratricida que bloqueou e destruiu os mecanismos de produção, só começados a recuperar nos últimos cinco anos, pela visão estratégica da governação do Presidente João Lourenço, tão combatida pela UNITA de ACJ “Bétinho e Lukamba “Miau” Gato, onde clandestinamente se juntaram Abel “Totózinho” Chivukuvuku e  Marcolino “Ressabiado” “Oportunista” Moco.

A imbecilidade do homem intelectual do SOVISMO, começou com a colagem aos militares golpistas da Guiné Conacri, posteriormente aos supra sumo da Zâmbia, e agora ao modelo agrícola ucraniano, entretanto o seu líder, ACJ “Bétinho” colou-se a Viktor Órban da Hungria, o empecilho da Extrema Direita que a Europa repudia veementemente. São estes os modelos da UNITA para uma Angola à mercê da dependência dos Kwatchas.

A oligarquia déspota familiar da UNITA, prisioneira da sua ambição clandestina, criou medo da sua própria sombra, acantonou-se em Luanda,  em permanentes festins e frequentes viagens, e já não conhece Angola, deslumbrados com as torres da Capital, ignoram o que está a ser feito no país, nas infraestruturas, no desenvolvimento produtivo industrial, o avanço em sectores fundamentais como a energia, a saúde e a educação,  o emprego, o microcrédito, este indigenato crónico cega a aprendizagem e induz ao analfabetismo político funcional do qual emerge um pântano, onde habita perenemente o caos.

Sendo a UNITA um caso perdido, a FPU um nado morto, o PARA-JA uma miragem, sobram alguns fundos dos investidores clandestinos e subversivos (os que não foram desviados), para mobilizarem os alienados com mentiras proféticas, hoje mesmo vamos ter a arquibancada cheia a desafiar a Lei, a achincalhar as Instituições, e do palco vamos escutar em êxtase, com as Matildes em orgasmos sucessivos, o apelo à violação dos Dados Pessoais de cada cidadão, como se Angola fosse uma república do Cagaquistão, tipo governo sanguinolento manietado por psicopatas.

A Jamba é Angola, mas Angola não é a Jamba…!!!