Quando há muito dinheiro na clandestinidade para a sabotagem política, não faltam meios e formas de mobilizar multidões e aliená-las a facilitismos demagógicos. Nélito “Agitador” Ékukui contratou transportes, comprou bilhetes para a juventude ruidosa, e levou ao Estádio 11 de Novembro ACJ “Bétinho, Abel “Anjinho” Chivukuvuku, e ensaiou e encenou apoio popular de tal forma que amedrontou o líder que não via meio de se fechar na viatura no conforto do ar condicionado, o tirano já não tem confiança no Povo.

Hoje em opíparo almoço, com luxos asiáticos e manjares portugueses acompanhados por vinhos e champanhes franceses, festeja-se o aniversário de ACJ “Bétinho” e brinda-se sadicamente à morte de Rui Manuel Galhardo, que segundo um activista próximo, terá sido por envenenamento, nada que seja novidade para a UNITA, nada que não aconteça a dissidentes do Galo Negro.

A impunidade neste espaço sem lei em que se transformou o terreiro do SOVISMO, é propício a estas tibiezas, o laxismo da Justiça, a condescendência dos mecanismos democráticos, criam vulnerabilidade perante a tirania, o mal premeditado é resultado de um calculismo ancestral cravado no ADN dos herdeiros de Jonas “Diabinho” Savimbi, esperemos que no fausto almoço do próximo fim de semana em que se comemora o aniversário do clandestino belicista Lukamba “Miau” Gato, não sejamos confrontados com mais nenhuma coincidência.

José Pedro Catchiungo, abre o olho, toma atenção, na seita és “persona non grata”…!!!