Adensa-se o espaço que separa o Governo da Oposição, é gritante a diferença e faz-se sentir na postura e consequência das partes, uma agitada e perdida, outra ciente das dificuldades, mas determinada a vencer as adversidades.

Enquanto a Oposição e o seu líder viajam promovendo-se pessoalmente, alimentando o seu ego, vendendo um país naufragado em fantasmas, clamando por capatazes controladores, o Governo além de suportar uma Coligação clandestina, vai consolidando ganhos reconhecidos contra uma frente terrorista silenciosa que semeia a subversão para obstaculizar o percurso.

Virando as costas à Paz, com inconcebível desprezo, ACJ “Bétinho” junta-se contra a corrente em complot internacional, associando-se a intrigas e estratégias dos especuladores sem Pátria, guiados pela conta bancária atropelam as mais elementares regras de convivência internacional. Em Nova York, Jerusalém, Budapest, em hotéis de luxo, ballet’s de volúpia, e piropos colectivos, implementam jogos de poder assentes em truques que deixam escombros pelo caminho.

Esta gentalha e seus sequazes, colada a oligarquias déspotas esfomeadas e ambiciosas, manobram aflitos e mobilizam incautos, mas acabam por colidir com a realidade imperdoável, e acabam cercados atados aos seus próprios nós, ou moribundos, vítimas do seu próprio veneno.

A Europa institucional, que não alinha em esquemas nem alimenta clandestinidades, procura alternativas de investimento nas vertentes cerealíferas, agroalimentar, e energia, projetam-se para o Brasil e Argentina negociações intensas, em África, Angola ocupa lugar cimeiro para implemento de negociações, terra fértil, água com abundância, estabilidade política, coesão das Forças Armadas, segurança fronteiriça, portos e aeroportos, e, sobretudo, confiança numa recuperação económica cada vez mais consolidada, onde até já se emitem títulos de dívida pública em moeda nacional, raro em África.

Um angolano nascido no Lobito, criado na Caála, alto quadro na União Europeia, professor universitário na área do nuclear, já foi Secretário de Estado da Energia em Portugal, Engº. Pedro Sampaio Nunes, congratulou-se com a recente inauguração dos canais de irrigação no Cunene, falou do aproveitamento hidrográfico e exaltou as potencialidades “fabulosas” da região.

João Lourenço desfruta hoje de prestígio interno e externo cruciais para o desenvolvimento de Angola, é o oposto de ACJ “Bétinho” que é um papagaio falante, linear e trivial, JLO conferiu dignidade e respeito à sua Presidência, alienar este património conquistado seria um revés inexplicável para um Povo ávido de esperança.