E lá vem M.Moco com um dos seus textos trapalhões em que confunde tudo. Claramente está cego pela ânsia de poder que queria ter e já não tem e não consegue esconder o desgaste psicológico que essa frustração lhe causa.  Agora já os corruptos do passado são-nas suas palavras- honestos empresários a quem o governo retirou o ganha-pão.

Os inimigos de outrora tornam-se os amigos de hoje. Moco enrola-se e morde-se. Confunde a livre opinião sobre os seus textos disparatados com fake news e chega ao cúmulo de desejar a morte, fingindo que não deseja, aos que o criticam. Sempre é ir longe de mais…

É evidente que Moco, alinhando com uma série de abusadores do povo angolano, tem apenas um fito, propagandear o derrube imediato por qualquer meio do Presidente e do governo de Angola. Tudo serve: apelar à desobediência das decisões dos tribunais, fomentar o caos nas ruas, insultar os adversários políticos, mesmo tentar condicionar os representantes estrangeiros.

A histeria que se apoderou desta gente- e vai continuar até Agosto- é manifestamente absurda. Acham que por gritar e insultar nas redes sociais vão recuperar aquilo que tinham roubado ao povo angolano.

Acham que no fim do dia o povo não percebe que se está a assistir a uma grande manobra de diversão que só quer parar com as reformas liberalizantes da economia e o combate à corrupção.

O que entristece é que Moco não veja onde caiu e alinhe com aqueles que fizeram dele o mais desolador fantoche do regime santista.