As ilicitudes e incongruências próprias do cantar de galo da UNITA e da incoerência de Adalberto Costa Júnior, levaram o Tribunal Constitucional a decretar nulidade do último Congresso Eletivo, como consequência imediata Isaías Samakuva reassume a liderança dos Kwatchas, depois de ostracizado e vilipendiado pelos atuais dirigentes.

Confesso-me surpreso pelas trapalhadas de Abel Chivukuvuku, deixou-se arrastar no emaranhado de ilegalidades por puro oportunismo, mas mostrando cabalmente a todos os que duvidavam da sua incapacidade de liderança, o que levou sempre a que sem a influencia de Jonas Savimbi nunca tivesse sido algo na UNITA.

O pesadelo vai invadir o sonho dos que já festejavam com champanhe francês as suas pseudo-conquistas, de tabela também vai tirar o sono dos marimbondos, nas capoeiras do Galo Negro já se agita um novo Congresso para daqui a três meses, mas será Samakuva a delinear o futuro e nestas horas as fragmentações emergem para a ribalta, a ele caberá planear o melhor para Angola, e seria degradante cair no mesmo erro duas vezes.

A ansiedade traz à tona os ódios de estimação, na Vila Alice, no gueto do Gato vivem-se horas de agitação; Samakuva amedronta os poderosos clandestinos, eles são a face oculta de ACJ, e a seguir ao almoço chegou o telefonema da aflição do general Zé Maria.

Claro que o brigadeiro Adalberto Costa Júnior, com a sua pensão das Forças Armadas está materialmente protegido, tem milhões de angolanos a pagar a sua reforma, esse é o começo de uma mentira que começou na Jamba e pela via dos incautos e oportunistas queria chegar à Cidade Alta, com ajustes de contas em Porto Kipiri para delícias dos crocodilos.

Vivamos expectantes pelos desenvolvimentos, a perspetiva não muda, esperemos que não resvale para mais sacrifício dos angolanos.