Movimentações silenciosas e clandestinas pressupõem sabotagem e acções subversivas, a simbiose entre as vozes oficiais, oficiosas e marginais proclamam o tom ameaçador para que venha à tona o medo, e do pântano que vai alastrando sobressai um tipo de impunidade próprio de libertinagem.

Está cada vez mais claro a idiossincrasia de Adalberto Costa Júnior e José Eduardo dos Santos, os bajuladores de um e os familiares e parceiros do outro, convergem no feroz ataque ao governo e nas insinuações e intrigas a João Lourenço.

A probabilidade de ACJ vir a ser arredado da liderança da UNITA tem sido alimentada por distanciamento e omissão do núcleo duro da Vila Alice, Zédu e Paulo Gato desejariam esse cenário porque por afinidades familiares e estratégicas veriam com bons olhos a candidatura de Abel Chivukuvuku, e este tudo tem feito para mostrar a sua disponibilidade, mesmo aos sectores do Galo Negro que não veem com olhos de ver um mestiço à frente da UNITA, fator de divisão interna.

ACJ vai encontrar-se brevemente com Isabel dos Santos, uma equipa do Porto vai filmar um “spot” publicitário com o Dubai como pano de fundo, e ambos vão apregoar os feitos do Emirado e lançar uma lista de potenciais investidores que poderão criar em Angola de 100 a 150 mil postos de trabalho. Está para breve, também, o anúncio da candidatura de Tchizé dos Santos como candidata a deputada pela lista nacional do Galo Negro.

Também regressou aos “Kwatchas” o famoso (Black Powel) general João Batista Tchindande, e por indicação do seu compadre general Gato, é um dos operacionais da mobilização.

Da falta de ética e moral emerge a desonestidade intelectual, retrato fiel de toda a oposição, a recente postura face aos êxitos de João Lourenço nos Estados Unidos e Espanha, ridicularizando os encontros com o Rei e o Primeiro Ministro de Espanha é reveladora da falta de carácter e de envergadura institucional, próprio de arruaceiros cujos objectivos se resumem a terra queimada.

Ao menos haja vergonha…!!!