Em atmosfera de demência intelectual e política, chegamos à fronteira das opções, cumprindo a face identitária do embrião clandestino, de uma gravidez taticamente eivada de pormenores hilariantes, foi apresentada milagrosamente a terceira ressurreição da FPU – Frente Patriótica Unida, que a tirania com pompa e circunstância, louvou em ambiente de servidão voluntária, com sobas, escravos, dependentes e alienados engajados no trilho dos emissários do banditismo internacional.

À boa maneira das ditaduras fundamentalistas onde flutuam a arrogância, presunção e prepotência, representadas pelo belicista-mor Lukamba “Miau” Gato, em cena estavam apenas as bandeiras de Angola e da UNITA, uma simbologia do disfarce que engloba a indigência e a clandestinidade. Perante os sinais de uma degradante nomenklatura sem Lei, dominada pela oligarquia déspota familiar, ACJ “Bétinho” surgiu como paradigma de democracia e da compreensão, tudo é falso como é falso o desfile de empossamento de agentes acotovelados em comissões que se atropelam nos pomposos cargos que na prática são um somatório de incompetência e facilmente embriagados pelos lugares da servidão.

Ontem foi a parte visível da farsa da opereta que vamos assistir ruidosamente, tacticismos ocultos irão revelar-se no tempo, as feras ficaram nos bastidores e para a arena foram lançados os inúteis, ACJ “Bétinho” tem as suas tropas entrincheiradas, Lukamba “Miau” Gato, à sua maneira, com Abel “Anjinho” Chivukuvuku, vão arbitrando o jogo até ao derradeiro minuto. 

ACJ “Bétinho” vai levar uma nova fornada jovem a Israel para receber formação de sabotagem informática, em Jerusalém vai contactar a clandestinidade subversiva e receber instruções dos financiadores do Galo Negro.

Lukamba “Miau” Gato que chegou na última semana de Joanesburgo, vai voltar à África do Sul, onde na sua mansão luxuosa já instalou os filhos, e vai receber apoios dos saudosistas do Apartheid de quem nunca se desligou.

De salientar o papel insignificante das mulheres que tanto têm dado à UNITA, a única comissão liderada por uma senhora é a das finanças, porque mais ninguém quis fazer o papel de repetir publicamente que a UNITA não tem dinheiro, enquanto assiste-se a opíparos festejos e luxuosas viagens.

Uma coisa temos de reconhecer em ACJ “Bétinho”, prometeu varrer os dinossauros do Park Jurássico e paulatinamente está a conseguir, Samuel “Pateta” Chiwale, Ernesto “Idiota” Mulato, estão a perder protagonismo em detrimento dos novos kwatchas Marcolino “Oportunista” Moco, Raúl “Palhaço” Dinis, Francisco “Ressabiado” Viana, e o capataz Kamalata Numa é cada vez mais o estafeta dos recados ridículos.

9 de Maio de 2022, o dia em que o racismo, tribalismo, clandestinidade e subversão, chegaram ao fim do princípio, mas como o ADN não muda, de derrota em derrota, de traição em traição, de insulto a insulto, com regozijo libertador, seremos testemunhas do princípio do fim. Angola para os verdadeiros angolanos, para aqueles que acreditam na sua terra e não apelam perenemente pela fiscalização e intervenção neocolonialista, com o Povo desfilando em festa empunhando a dignidade da sua Independência, a moral, ética e probidade públicas.